16.6.09

Maratona - "Os" Araras

Quando comecei a correr tinha sempre como objectivo apanhar a cabeça à minha frente. Depois dessa apanhada outra se seguiria, e assim sucessivamente até que a cabeça à minha frente permanecia segura e nunca mais a conseguia ultrapassar. Tinha chegado ao meu limite. A Umbelina Nunes fez parte dessas cabeças. Mas a Umbelina para mim foi sempre uma cabeça especial. Sabia que, indo a seu lado, a corrida era de passada certa e, sem grande dificuldade, lá a ia acompanhando. Se eu de início partia rápido era certo e sabido que alguns km depois a Umbelina passaria por mim.

No ano passado na Corrida do 1º de Maio depois da minha ausência de quase dois anos devido a lesão, quando entrei no Estádio antes da prova e cumprimentei a Umbelina disse-me ela: «Então Mário que é feito de ti?». Fiquei atónito a olhar pois nem sabia que a Umbelina sabia quem eu era quanto mais tratar-me pelo meu nome.

A mais antiga crónica sobre a Umbelina que encontrei data de 17.05.69. Passo a citar:

“Brilharete” da aveirense Lisete de Oliveira (Galitos) nos campeonatos nacionais Estádio do Bonfim (Setúbal) – Campeonato nacional de juvenis femininos.
Competindo com atletas do Benfica, Sporting, Académica, Sporting de Braga e Vitória de Setúbal, a aveirense disputou duas corridas – 80 e 150 m – alcançando o segundo lugar em ambas. Fez 11,2 s nas eliminatórias. Só foi batida nas duas provas pela atleta Umbelina Nunes, do Benfica. Melhorou a marca nos 150 m. – 21,2 s.

Esta atleta do Benfica viria a ser uma das melhores velocistas nacionais, tendo sido internacional pelo clube da Luz.


Fim de citação!

Umbelina foi e é um grande nome no atletismo nacional e internacional. Penso que, fora a Câmara de Cascais que a homenageou (Umbelina ganhou por 4 vezes os 20km de Cascais), nunca recebeu o devido reconhecimento das entidades ligadas ao atletismo.

Maratona de Lisboa - 1997.

No aquecimento, a meu lado estava a Umbelina. Ouvi o marido, seu treinador, a dizer-lhe os tempos de passagem para conseguir fazer a maratona em 2h45’.

Pensei para comigo, óptimo, indo com a Umbelina farei um bom tempo. Mas se eu pensava outros tinham também pensado o mesmo e prova começada éramos uns cinco a seu lado. Lembro-me que um deles era o Sílvio Bravo, outro grande companheiro de estrada e bom maratonista.

Primeira passagem nos Jerónimos aos 21km em bom ritmo, depois Algés e retorno pela marginal. E todos nós na passada da Umbelina.

Eis que, quando passamos de novo pelos Jerónimos em direcção ao Cais de Sodré, o marido manda-a parar pois as 2h45’ já não eram possíveis. Aí começou o caos entre nós. Com a paragem abrupta da Umbelina ficamos sem o ritmo certo em que vínhamos e parecíamos umas araras todos a olharmos uns para os outros como a dizer:

– E agora?

O Sílvio foi o primeiro a recompor-se e experiente como era lá foi, eu ao ver o Sílvio a ir, tentei recolar-me a ele mas já era tarde. Os outros ficaram nas covas e eu lá continuei sozinho, depois foi o sofrimento até ao fim. A correr, a andar, lá consegui fazer os 42,195km. Nunca mais corri a Maratona. Mas penso que se a Umbelina não tivesse desistido, teria feito o meu melhor tempo.


Umbelina, como te disse nas Patameiras este tema é-te dedicado. Podes nem te aperceber mas continuas a ser uma referência para muitos de nós.

Obrigado pela tua companhia nestes anos de corrida!



Os tempos das minhas quatro Maratonas.

1992 - 3h 08’ 21’’
1993 - 2h 57’ 06’’
1994 - 3h 04’ 04’’
1997 - 3h 16’ 33’’

Foto:ammamagazine

Nota de rodapé:
Depois de sete dias de tratamento ao "gémeo" esquerdo (ler tema anterior), fui fazer uma corridinha de 30' em ccl (corrida contínua lenta). Fora o calor a dor não se manifestou. Agora é continuar devagarinho até a recuperação total.

Dicas


- A automassagem no final do treino ou prova, deve ser feita sempre de baixo para cima, na direcção do coração e de forma a não provocar dor.

- Deve-se prever algumas semanas de repouso durante a época quente de Verão.

- A maçã deve ser o fruto preferido após as provas devido aos seus açucares naturais, ser rico em água e possuir propriedades calmantes.

- Se as meias têm as costuras salientes (há no mercado meias próprias para corrida sem costuras), o corredor deve calçar as meias com as costuras ao avesso.

... Nunca esquecer de se hidratar bem, pois o nosso corpo é formado por mais de 70% de água.

4 comentários:

Carlos Lopes disse...

Ola Fernando, passei para dar um abraço.

será possível o Fernando por no seu Blog a opção do Rss? é muito mais fácil para qualquer seguidor do blog, receber um Mail,quando o Fernando coloca aqui um post

Fábio Pio Dias disse...

Olá Mário!

O amigo Carlos Lopes, já o baptizou!eeheheh!

Desconhecia de todo, por ignorância a ilustre atleta Umbelina Nunes, é mais um valor que não é reconhecido,mas caso tenha oportunidade irei felicitar-lhe pela brilhante carreira desportiva.

Ainda bem que está melhor da lesão.

Como sempre boas dicas que irei aplicar.

Um grande abraço!

Carlos Lopes disse...

Opsss Sorry... Mário, não sei onde estava com a cabeça.. abraços Mario

joaquim adelino disse...

Merecida homenagem, é uma grande Senhora do Atletismo. Ainda bem que continua ligada à organização do Atletismo, à uns anos na Xistarca, mas não esqueço o seu trabalho e empenho na promoção da modalidade no Casal do Previlégio juntamente com o Sobral,seu marido, e outros familiares.
Abraço.