21.10.09

“Voando” na ANA


Na fila para levantar o dorsal

Nesta 1ª Corrida do Aeroporto, organizada pela Clube ANA de Lisboa, dois reparos, o funil de partida era demasiado estreito para tanto corredor, e façam o favor de fazerem uma partida diferenciada para quem vai correr 10 km e para quem vai caminhar.

É que continuo sem perceber por que razão que quem vai andar, se mete à frente de quem vai correr!!! Deve ser algum problema mental, só pode! Ficam de imediato ali à frente e é tipo daqui não saio daqui ninguém me tira. Resultado, como a passagem era estreita e para não me lançar por cima de quem vai andar, tive que ir a passo de caracol até passar a partida e depois tive que ir com muito cuidado para não pisar os calos de ninguém, assim do local onde estava até à partida foram mais de 30’’ e depois o 1º km foi num tempo que nem em treinos faço.


Entre os caminhantes, nem eu quase me consigo ver, mas estou ali de chapéu azul

Sei que o importante é participar, mas também não custa nada fazer com que os que vão caminhar partem pouco tempo depois da prova principal.

Sobre a prova, há que realçar o percurso, com sobes e desces mas faz-se bem, passando por locais por mim desconhecidos como a Pista Municipal de Atletismo Moniz Pereira (onde vi o amigo José Lopes), pelo "Parque das Conchas" que quando o conheci não era nada daquilo que ali se vê. Tive como cicerones a amiga Umbelina Nunes e o amigo Tiago da "Casa do Pessoal da RTP" que me foram dando conta daquele pulmão verdejante e até com uma certa graça me diziam que o Parque tinha uma piscina onde podia tomar banho com patos à mistura. Ali vi o amigo Zamora, que com outros companheiros (Umbelina e Tiago incluídos) fazem desse espaço o seu local de treinos e, assim, entre cumprimentos e saudações lá passamos este recanto magnífico.

A minha prestação nesta prova foi entre a lebre e a tartaruga. Comecei bem e acabei mal. Uma noite mal dormida devido a problemas respiratórios, já que na Sexta, contrariando as dicas que dou aos outros, tipo «Olha para o que eu digo e não para o que eu faço», ter feito o que não devia, mergulhei na Costa, depois do treino, sem tomar as devidas precauções, e arranjei uma “gripalhada” que até a mim me fazia dó!



Nem os incentivos da Umbelina, fizeram com que os pulmões "obedecessem" e assim, depois da subida da "Parque das Conchas", foi um até "Quinta". Acabar em menos de 50’ já não foi mau (49’50’’) e fica a lição.


Na chegada, já em esforço

Ver o Aeroporto noutra perspectiva foi interessante. Fora os dois reparos iniciais, e o fim das obras que encontrámos pelo caminho, é uma prova que tem pernas para andar, neste caso, voar.

Parabéns à organização (se não fosse a indicação nas árvores do local da prova, penso que ainda hoje andava de carro por lá às curvas) e até para o ano.

3 comentários:

JOSÉ LOPES disse...

Parabéns Mário

Apesar das contrariedades foi uma boa prestação (49min e 50 seg).

continuação de bons treinos

Até à corrida do Tejo

J.Lopes

joaquim adelino disse...

Olá amigo Mário
Isto agora andamos uns para cada lado e vai ser difícil voltarmos a encontrar todos ao mesmo tempo.
É bom saber que ainda aí andas, é que os problemas têm sido tantos!
Fizeste uma boa prova, o resto é conversa.
Gostava da tua companhia no Alqueva, ia ser muito divertido.
Como deves ficar pela Corrida do Tejo desejo que as coisas corram melhor.
Obrigado pelas palavras sempre simpáticas que vais deixando no meu blogue.
Abraço.

Fábio Pio Dias disse...

Olá amigo!


"É que continuo sem perceber por que razão que quem vai andar, se mete à frente de quem vai correr"
-plenamente de acordo, não sei se é falta de noção das pessoas ou sei lá o quê,às vezes devido a este facto pior que atrapalhar é afectar os tempos dos atletas de competição ou os que pretendem melhorar a prestação, tendo também já assistido a algumas quedas.Também não sei se foi esse o caso mas esta organização e outras deverão ter no futuro atenção a este pormenor importante.

Um abraço