14.12.09

G.P. de Natal 2009 - A vergonha continua!

G.P. de Natal 1996.

Chovia como afinal choveu nos outros anos anteriores em que nesta prova participei. A partida era junto ao antigo Estádio da Luz (ainda não havia a Avª dos Lusíadas). Por baixo do túnel que dava acesso ao Estádio a organização procurava entregar os dorsais que ainda não tinham chegado e estava quase na hora da partida. A confusão era geral. Molhados e enregelados os atletas aguardavam que a carrinha chegasse o que veio a acontecer, mal seria se não chegasse. Colocou-se o dorsal e lá se foi para a partida a poucos metros dali.

Já tinha corrido esta prova em 1992 (29’44’’), em 1993 (29’15’’), em 1995 (30’32’’) e agora seria a 4ª participação (30'32'', o mesmo tempo do ano anterior).

O tempo, inclemente, não dava tréguas. A carrinha do CCD de Loures tinha ficado no Rossio e fomos a correr de lá até ao Estádio da Luz.

Tiro ou berro de partida (já não me lembro) e lá fomos tiritando pelo percurso. 2ª circular tomada, lá vamos nós. Ninguém a apoiar, ninguém da organização a dar água, nada, só nós corredores e a polícia.

Saldanha, Marquês e era só descer a Avª da Liberdade onde estava a meta. Meta cortada e dirijo-me a um elemento da organização e pergunto: «Ao menos não temos direito a uma garrafa de água?». Resposta: «Se quiser beber abra a boca e beba a água que cai do céu».

Há alturas que gostaria ainda de ter a fibra que tive quando estive no Curso dos Comandos. Primeiro dava o murro e depois arrependia-me do meu acto. Ali cerrei o punho olhei para aquele rosto que tanto me daria prazer em esborrachar-lhe o nariz, dei meia volta e fui-me embora. Disse para mim: «Mário não voltes a fazer esta prova»


G. P. de Natal 2009

Esqueci-me do que tinha “jurado” a mim mesmo. O dia estava de sol embora uma gélida brisa arrepiasse o corpo. A partida era no Saldanha. Insuflável a marcar a partida. Rostos risonhos, nada do que foi em 1996. Parecia tudo correr nos eixos. Várias provas em vários locais. Era uma alegria.

Encontro lá um “velho” conhecido e amigo de outros blogues, de outras andanças.

João Melo
João Melo e eu


Prova começada. Eu, Vítor Veloso e António Almeida lá fomos em boa “pedalada”. No túnel de Entrecampos ouço alguém a chamar por mim lá no cimo, era o Joaquim Ferreira que de máquina em punho nos tirou várias fotos (obrigado Joaquim).

Entrecampos
Com o Vítor (11) e o António Almeida mais à frente (12) (foto Joaquim Ferreira)


No retorno já depois das descidas e subidas, perco o gás (o António já lá tinha ido naquela sua passada de Maratonista) e digo ao Vítor para seguir. Eu passo a caminhar mas depois das subidas encontro de novo o meu ritmo e ala que se faz tarde. De novo volto a 1996, Saldanha, Marquês e nos Restauradores o insuflável da chegada.

Depois foi o que toda a gente sabe. Não vale a pena gastar mais os meus dedos e palavras com gente que não merece. De palhaços, ladrões e o “é uma vergonha” tudo se ouviu.

Em 2009 volto a dizer: «Mário não voltes a fazer esta prova».

Valeu o reencontro com o pessoal da blogosfera, Fábio Dias, José Lopes, Luís Mota e família (Parabéns pelo 1º Lugar na Marcha da Mariana), e José Magro, além da incansável Isabel, esposa do António, que tem sido a repórter fotográfica sempre em cima do acontecimento.

8 comentários:

António Almeida disse...

Amigo Mário
falemos então de coisas boas, os excelentes tempos que conseguiste nessas edições passadas (92, 93, 95 e 96), é que eram mesmo tempos fabulosos, parabéns por esse passado desportivo.
Claro também parabéns por continuares a participar, é sempre um prazer estar contigo.
Abraço e beijos da Isabel.

nota) acho que por fim terás recebido as fotos.

Vitor Veloso disse...

Olá Mário
Ao que tudo indica que correu mal esta edição, e não foi a primeira vez apesar de já ir 52º, esses tipos "organizadores" não aprendem!
O melhor do dia foi o convívio, para mim um prazer partilhar consigo momentos da corrida.
Ate breve
Grande abraço

JOSÉ LOPES disse...

Olá Mário

Que bons tempos naqueles anos, deves ter ficado nos 10 primeiros.

Parabéns pela prova, agora via Net, visto que já os dei pessoalmente

Obrigado pela dica para o blogue

Penso que já deves estar mais
calmo em relação aquela desastrosa "desorganização".

O que se pode tirar de interesse naquela manhã domingueira é o de termos corrido e falado com os amigos e conhecidos destas lides.

Continuemos a correr por prazer

com os cumps
J.Lopes

Fábio Pio Dias disse...

Olá amigo Mário!

Estou estupefacto que tempos espectaculares, formidável atleta!

"Mário não voltes a fazer esta prova"... o que vale é que em 1995,não disse NUNCA...

De facto atendendo ao historial da prova e ser das mais senão a mais antiga na capital, foi sem sobra de dúvida a mais paupérrima em todos aspectos em que participei, até o episódio no final, nem na novela fariam melhor, que péssima organização e imagem que deixaram. Sem palavras!

Como em tudo na vida, tento sempre tirar vantagem das desvantagens e se aquela enorme fila não se tivesse formado, perderia a oportunidade de dar-lhe um abraço e trocado as nossa breves impressões.

Desejo a si e Toda família um santo e feliz Natal, e até a São Silvestre de Lisboa certo?

Um forte abraço e fique bem !

Mário Lima disse...

António, José e Fábio.

Os tempos que coloquei no tema sei que os fiz, agora a distância é que não sei.

E isto é simples de explicar, se em 2009 a organização diz que o percurso tem 10000 metros e não tem, mesmo com GPS, mapas no Google e outros processos modernos para aferir distâncias, imaginem isto nos anos 80/90. Ou era a passo, ou era a olhómetro.

Como tal e para que se conste, tanto naquela época a distância tinha 10000 metros como hoje, ou seja nunca os teve.

Abraços e obrigado pelos comentários!

JAM disse...

Amigo Mário, quando me inscrevi para a prova, pensei "já vai na 52ª edição e organizada pela Associação de Atletismo de Lisboa, deve ser uma excelente prova". Pelo que pudemos constatar, foi uma completa decepção, ficámos ali parados na fila, cansados e transpirados, à espera de "cortar a meta" que com o frio que estava foi bastante desagradável. Não sei o que pensam ou sabem aquelas cabecinhas, tudo me leva a crer que só quiseram saber dos senhores primeiros, pois não apanharam fila, os outros...é ralé! Bastava terem 4 ou 5 indivíduos a entregar a camisolita, em duas ou três saídas e evitava-se assim a fila. Valeu pelo facto de ter reencontrado o Mário e o respectivo convívio. Mesmo depois da lesão, parabéns pela prova e tempo que conseguiste, não é qualquer um!!!

Pedro Ferreira disse...

Mário,
Estou a tentar apagar esta prova das minhas memórias, pelo que não vou tecer comentários à desOrganização!

Fico-me apenas pelo que é importante:
Desejo-lhe um Santo e Feliz Natal!
Até dia 27!

Polibio Robim disse...

...Eheheh,então o meu amigo anda de mal com a organização!? pela tua experiência nas provas acredito em ti.Gostei desse desabafo de indignação perante esse batata frita,pena o murro ficar nos bolsos!Vou acompanhando tuas provas,e essa garra!Um abraço e bom Natal,e que o mentiroso do pai natal,seja generoso contigo!Abraço Camarada.