1.3.10

Por esta Serra acima





Seria a primeira vez que iria fazer um Trail após quase 20 anos de estrada. Sabia que iria subir e descer a Serra mas não tinha a mínima ideia de como seria isso. O teino para esse trail foi igual a tantos outros, nunca subi nada, a não ser na prova do Fim da Europa e corri sempre nos mesmos locais de treino.

Ansiava o dia de partir para Condeixa. Nunca coloquei em mim a dificuldade de correr 30 km em plena serra sem preparação adequada para tal. O convite tinha partido do Pára Joaquim Adelino e ali estávamos nós, o Pára&Comando, juntamente com o companheiro Elísio Costa, prontos para a aventura em Terras de Sicó.


Chegados no Sábado, após o termos apanhado um vendaval na autoestrada na zona de Leiria, foi o levantar dos dorsais e a simpatia de quem nos recebia no Pavilhão, fez amainar tudo o que lá fora bramia. Depois do jantar há que ver o Leixões – Benfica e toca a dormir. Foi o dormir possível...

Se no Sábado chovia, o Domingo acordou com sol embora de pouca dura. Esfriou, luvas metidas, há que aquecer e um olhar para a serra que nos fitava entre a bruma.

Um encontro com o Luís Mota preparadíssimo para uma prova de alto nível como se veio a confirmar, os conselhos da Otília sobre a melhor forma de encarar este tipo de prova e eis os Pára&Comando para a sua primeira prova juntos.

Eu aqui subindo a Serra - Foto Miguel Pessoa

Sabem uma coisa? A prova foi linda pá. Os olhos são a melhor máquina fotográfica que temos. Eles retêm tudo. O subir a serra, aquele rio dos Mouros que deslizava junto a nós, cascatas, caindo como cabelos de deusas, campos de um verde lindo na Aldeia do Poço. Na Serra de Janeanes, os trilhos agrestes, rochas escorregadias, lamaçal, mas uma visão linda sobre todo o vale das Terras de Sicó, a simpatia das suas gentes, deste Portugal profundo que o citadino não conhece. A Aldeia de Casmilo e as suas Buracas que nos fazem pensar no quanto é poderosa a natureza por tal feito...

O Trilho por onde passamos e as Buracas de Casmilo - Foto da net

... as casas feitas da pedra da região, o Furadouro, na Aldeia do Peixeiro, quando ia em descida, aparece o pastor com os seus cabrestos no meio da estrada, hesitei em avançar para não assustar a bicharada mas o pastor disse-me logo: «Avance que elas afastam-se», e assim foi, e Ameixeira onde se encontrava o amigo José Magro a incentivarmos. Nos abastecimentos havia um manancial de banana, queijo da região e laranjas, só faltava um copinho de vinho a acompanhar.

Durante a prova só bebi água (tomei três Gel e nada mais, queria ver até onde ia a minha resistência). Uma nova passagem pela ponte romana em direção a Conímbriga e por fim a meta. Corri, andei, quase que rastejei, mas nunca parei.

Cansado, mas sem uma única lamúria física a não ser umas pequenas cãibras nos dedos dos pés (foi uma novidade pois só tinha tido esse tipo de cãibra no mar) fiz o meu primeiro trilho. Gostei e já este fim-de-semana, o Pára&Comando voltará a repetir a dose (35km), com a inclusão da Susana nos Trilhos de Almourol

Quem pensar que isto tem alguma vez a ver com provas de estrada ou que o tipo de preparação é o mesmo esqueça. Nada é parecido com isto, só participando é que sabe o quanto é custoso, talvez em certos aspectos doloroso, mas é lindo!

Uma última palavra para a organização do ”O Mundo da Corrida”, impecável. Desde os abastecimentos ao apoio logístico não nos faltou nada.

Os tempos e os lugares alcançados, nos respectivos escalões, da Equipa Pára&Comando no 1º Trail Terras de Sicó:

Elísio Costa – 3h19’04’’ – 24º Vet. IV

Mário Lima – 3h46’46’’ – 18º Vet. V

Joaquim Adelino – 3h49’42’’ – 5º Vet. VI

Depois do almoço, uma árvore florida dava-nos a despedida!





~ Outras Fotos ~




Vasco Pedro Caetano
Paulo Fernandes Saint Martin
Miguel Pessoa Espiral Photo

7 comentários:

Vitor Veloso disse...

Amigo Mário,

Há sempre a primeira vez para tudo na vida, desta vez foi os Trilhos!
Ainda bem que gostou, como você diz "A prova foi linda pá", o tempo final foi brilhante parabéns.

Para semana há mais trilhos, o companheiro da estrada agora vais ser em trilhos!! Domingo lá estamos em Almourol.

Uma pergunta, os ténis ficaram ou regressaram consigo??

Ate domingo.
Boa semana, com o merecido descanso.

Grande abraço

Vitor Veloso

joaquim adelino disse...

Olá companheiro Mário.
Depois desta experiência, para os dois, porque a minha 1ª foi de noite, fica sempre reforçada a ideia que se nós quisermos não existe limites para a nossa resistência, obviamente dentro das capacidades de cada um.
Os desafios que temos pela frente tornam-se mentalmente mais acessíveis depois de termos enfrentado estes trilhos em terras tão bonitas e tão agrestes. A vertente turística que tão bem fazes referência está muito bem construída e é uma pena que durante a corrida a riqueza daquela zona seja ultrapassada como mais um obstáculo vencido na luta que travamos para vencer mais um desafio. Mas fica tanta coisa na memória e uma estranha interrugação: "o que leva um punhado de tanta gente a enfrentar um desafio daqueles, onde para além da descoberta da natureza, convívio entre amigos e a confiança crescente em quem organiza eventos com esta eficácia, pouco mais havia de incentivo?" Creio que a resposta estará no que dizes sobre 20 anos a correr na estrada, existe uma natural fuga pontual para as corridas em plena Natureza e a tendência apanha não só quem se vai fartando da estrada após tantos anos como arrasta também muita rapaziada mais nova que vê aqui uma oportunidade de se identificar e integrar na defesa deste mundo natural e já tão escasso, que é preciso defender e consolidar.
Estaremos nos Trilhos de Almourol e curioso com um comentário que o Brito deixou no meu blogue. Aquele "olhe que não" sem dúvida que me é familiar, só espero é que não se invente nada para o demonstrar.
Um abraço e até lá.

JOSÉ LOPES disse...

Olá Mário

Parabéns, mais uma nova experiência desportiva positiva.

Li que o prazer de correr na natureza compensa o sofrimento do sobe e desce e do terreno irregular.

Qualquer dia terei que correr uma prova dessas.


Continuação de uma boa preparação ( e descanso) para os Trilhos de Almourol

com os cumps

J.lopes

Fábio Pio Dias disse...

Olá meu amigo,

Eu fiz pela primeira vez uma corrida trilhos/montanha no ano passado "Entre a Serra e o Mar" e simplesmente adorei, é como o Mário descreve é uma sensação única e indescritível, em contacto permanente com a natureza, pena não haver assim tantas provas por aqui, embora tenha a noção que no Norte exista muitas provas com esta variante. E foram apenas 12 km, era correr por riachos,na praia, espinhos a picar as pernas, e havia uma montanha que mais parecia o Evereste", em que quase todos pararam, podem perguntar ao Brito, que também foi à esta prova e no final por mais 1 ou 2 euros, temos churrasco. Este ano também quero ir, e era bom a dupla para-comando, que andam a detonar o asfalto e trilhos de Portugal participarem, é uma prova linda e garanto que iriam gostar.

Um abraço e até as Lezírias!

luis mota disse...

Olá Mário!
É com muita alegria que o encontro nas provas. Não vou estar a adiantar-me nas palavras, mas apenas dizer-lhe que gosto muito de o ver. Obrigado pelas palavras, pelos gestos e pelo sorriso que tem para todos nós.
Relativamente à prova esta foi um pouco puxada mas indicada para a minha preparação.
A vossa, “Pára e Comando”, é de valor elevado. Correr com pessoas que nos dizem muito é algo grandioso e que nos enche interiormente. Imagino o valor destes dias para si. Com o Joaquim e o “Costinha” como companhia, pessoas muito valiosas, num cenário fabuloso, valem qualquer dor muscular.
Que continuem por muitos e longos trilhos de amizade por muitos anos.
Votos de uma boa recuperação e que no próximo domingo tenham todos uma boa chegada.
Luís mota

Anónimo disse...

Olá Mário
excelente a participação dos elementos do "Pára e Comando", parabéns.
Quanto ao post a habitual qualidade e bom gosto, parabéns também por isso.
Até domingo, grande abraço,
António

JAM disse...

Olá Mário, na realidade deve ser gratificante correr em pleno contacto com a mãe natureza. Como dizes o percurso foi dificílimo mas em compartida pudeste apreciar a beleza da paisagem, ouvir o canto dos pássaros, o tilintar das campainhas (chocalhos) das ovelhas e com toda a certeza também contactaste as gentes dos campos. É bem diferente que correr na estrada, onde por vezes nem os automobilistas respeitam quem opta por praticar desporto. Uma bela descrição desta tua "viagem" por terras de Sicó. Também te desejo uma boa prova nos trilhos de Almourol, que também deverá ser muito bonito, provavelmente com uma passagem pelo castelo. Felicidades!