12.9.10

Os Louros da Vitória

Chego a casa cansado. Tinha corrido a meia-maratona de S. João das Lampas e estava “estourado”. Despejo tudo o que tinha na mochila. Algo cai no chão e ali fica, seria mais um papel a anunciar mais uma corrida numa localidade qualquer. Teria tempo para o ver.

Dormi mal tal era o cansaço. Sonhava como descrever esta prova. Na 4ª feira tinha feito cerca de 17 km no Parque da Paz com o Vítor e o Filipe. Na Sexta quase uma hora no areal da Caparica (a maré estava cheia, teve que ser na areia solta).

Vieram-me as “imagens” da prova. O convívio inicial com todos os companheiros de corridas, a presença inesperada da Susana (foi bom rever-te rapariga), futura mamã, já com 5 meses de gestação, o Joaquim, a família Veloso, Almeida, o novo Tandur Filipe Fidalgo, o grande amigo Augusto Cruz, um grande campeão, o Jorge Branco e o tio Egas, o Carlos Coelho, o Carlos Lopes, o Luís (Tigre) que corri com ele durante uns km na Geira Romana e tantos outros.

Um cumprimento especial ao Fernando Andrade, director da prova, onde lhe mostro a t-shirt recebida na única vez que tinha corrido esta prova, a 18ª, no longínquo dia 17 de Setembro de 1994 com o tempo de 1h28’. Achei a prova tão “dura” para início de época que nunca mais a fiz.

Mas tinha prometido este ano lá voltar para desta forma homenagear o Fernando e a equipa que, durante tantos anos, mantêm esta prova que já vai na 34ª edição.


Eu com o Joaquim no início. Imagem retirada do vídeo do blogue Último Km

De novo o subir e o descer todas aquelas rampas. O desespero, o cansaço e se não fosse o incentivo recebido da Isabel, Ruth e Susana (eram mulheres a mais para dar uma de fraco) tinha desistido ao 13º km. Estavam já chegar os primeiros e a mim ainda me faltavam 8 km.

Aos 10 km, 53’, aos 13 km, 1h 15’, depois foi o "correr" para trás. Passam por mim os amigos da "Lebres do Sado", ainda os acompanho por uns tempos. Depois aparece a Henriqueta Solipa mais o Carlos, vou com eles mas já não dou mais, começo de novo a andar o que fiz para aí umas vinte vezes.

Diz uma simpática senhora: «Este é que faz bem, vai com calma pois ganha o mesmo». Agradeci-lhe dizendo que era a voz da sabedoria que assim falava, mas eu é que já não podia mais. Mas que somo de energia se apodera de nós? Quando pensamos que já não podemos mais, vamos em frente.

Olho para trás e quem vejo? O amigo Pára. Eu a tentar ter uma distância entre mim e ele e ali estava mais uma vez o Joaquim como sucedera em Almourol. Tento de novo ganhar distância mas a ultrapassagem era irreversível. Disse-lhe: «Vai Joaquim que na descida já te apanho». Mas eram só subidas e lá se foi o Joaquim.

Terminei a prova em 2h08’04’’ (tempo oficial), estourado, suado e com pensamentos negativos relativamente à prova tal como sucedera em 1994.


Um banho refrescante e o convívio final com a família Almeida, a do Veloso, o Filipe, o Joaquim e a Susana e o José Pereira...

... Viro-me mais uma vez na cama procurando dormir. Na cabeça vai-se alinhavando os escritos para este tema. As palavras não eram estas que aqui escrevo. Eram outras bem diferentes.

Levanto-me. Vou até à mochila pois lembrei-me que ainda guardava mais umas coisas na bolsa. Olho para o papel que estava no chão. Estranhei ver duas folhas de louro. Peguei nele e leio:


Amigo Fernando Andrade, saber que os louros da vitória, para ti e para a tua equipa, são para todos aqueles que concluíram a vossa prova, faz-me dizer que para o próximo ano conta comigo, nem que seja o último, voltarei a S. João das Lampas.

17 comentários:

Vitor Veloso disse...

Amigo Mário,
16anos depois volta para participar nesta prova, terá um significado especial! Para mim também tem por ter sido a minha estreia nas Meias.
Esta prova e bastante interessante, para princípio de época e boa para testar a condição física, força de ânimo e a coragem para enfrentar tal dureza da prova, não são muitos que tem essa coragem.
Como cognome "DUROS" esta prova calha na perfeição, nada no pensamento de desistir ainda bem que as "meninas" o incentivaram!
Agora e tempo de descansar.
Boa recuperação
Abraço
Vítor

Jorge Branco disse...

Obrigado por partilhares aqui os louros da vitória!
Só um homem com a sensibilidade do Fernando Andrade sabia fazer tão comovente homenagem a todos os que concluíram a prova.
Esse pequeno papel diz tudo sobre o espírito da Meia maratona de São João das Lampas.
Não te preocupes que para o ano não tens qualquer hipótese de ser o último pois eu pretendo fazer a prova nem que acabe depois de jantar!

Filipe Fidalgo disse...

Amigo, Mário.
É verdade que a prova é dura, muito dura mesmo, mas acredito que ao voltar tantos depois é porque esta é para ficar certinha no calendário.
É sempre espectacular partilhar consigo aqueles momentos antes e depois das corridas, pela sua simpatia, amizade e carinho pelos amigos.
Espero estar presente na próxima jornada do Pára VS Comando, será certamente imperdível.

Um grande abraço

ana paula pinto disse...

Mesmo antes de ter chegado ao fim do seu testemunho, já eu dizia que o sorriso estampado no rosto desmentia bem os "pensamentos negativos" que tinha.

Afinal, há gestos e pequenos nadas que nos fazem olhar de novo...ver o que já s etinha visto, mas ver de outro modo.

Se tivesse certezas de alguma coisa, diria que para o ano, estarei "certamente" na Meia das Lampas (é algo que "devo" a duas pessoas; quem me dera concluir a porva nesse tempo fantástico:-))
Parabéns.

Anónimo disse...

Companheiro
parabéns acima de tudo pelo teu regresso às Lampas, o "homem" mereceu o esforço.
Sempre uma festa estar contigo.
Beijos das princesas, abraço do teu amigo corredor.

luis mota disse...

Olá Mário!
Nem sempre as coisas nos correm como desejamos. O calor e o piso desnivelado dificultaram o desempenho.
Espero que recupere bem e que corte a meta com o Joaquim, pois gosto de os ver a par nas provas. O empate fica-vos bem.
Grande abraço,
Luís mota

Tiago Silva disse...

Mais um bom relato do nosso amigo Mário, sempre com os seus despiques com o Joaquim mas a competição está sempre presente entre nós e até é saudável quando não é excessiva.
Os meus parabéns por mais uma prova concluída com todo esse esforço.
Mas são estas provas difíceis que guardamos na memória, como uma meta cruzada com esforço e dedicação.

Fernando Andrade. disse...

Oh Mário, és "malandro"!!!
Gostei muito do teu relato, mas não precisavas de descascar a cebola "contra os meus olhos".
Obrigado por teres cá voltado a S.J.Lampas.
Grande abraço.
FA

joaquim adelino disse...

Pois é Mário, tens este condão de escrever palavras muito bonitas que acompanham certamente o sentimento com que as dizes.
Para mim é sempre um prazer estar por ali algures na estrada e ver-te com maior ou menor dificuldade, seja à minha frente, ao lado ou atrás de mim porque sei que este estar encerra sempre uma bonita história que tens sempre para nos contar.
Uma bonita história com um final feliz, eu também vou voltar.
Abraço.

Susana disse...

Olá amigo Mário!!! obrigada pela referência :)) também gostei de o ver, gosto de ir assistir às provas para não esquecer eheh e o bichinho também faz por isso. Gosto de ver essa competição de brincar entre si e o meu pai. Nunca fiz esta prova, hei-de experimentar.
Força! Tudo de bom

.JOSÉ LOPES disse...

Olá Mário
Parabéns

Por mais uma meia maratona concluída, esta pelos relatos foi dura.

Continuação de um bom desempenho desportivo

com os cumps
J.Lopes

Anónimo disse...

Olá Companheiro Mário
os maiores parabéns pela persistência e pelo brio em cada corrida.
muito bom resultado, atendendo a que a prova é para malta (bem) treinada. Eu não fui porque ainda não tenho km para tantas subidas :) ... e descidas!
Espero que esteja tudo bem e em grande andamento.
Alqueva ... adoraria estar, mas daqui a mais ou menos 3 semanas nasce a Rita e é tempo de provas mais curtas. Até porque os outros 2"adolescentes" cá de casa exigem muito e tenho que tomar conta da minha menina, ao mesmo tempo que dos 2 "hulk's" :)
Continuo a treinar 3x semana e tenho pernas para 10 ou 15 km e nos próximos meses é por aí que vou andar, entre asfalto e trilhos - talvez o monge e aquele para as vosssas bandas, perto de Loures.
um forte abraço, tudo de bom, boa recuperação, boas corridas e... os louros assentam que nem uma luva ao meu Amigo Mário.
AB - Tartaruga

JAM disse...

Amigo Mário, entraste na meta pela passadeira verde, por onde todos os restantes entraram, e cheio de boa disposição como é teu apanágio. Isso diz tudo do teu modo de estar neste mundo das corridas! Os teus louros da vitória são os mesmos que receberam os outros amigos. Parabéns!

Anónimo disse...

Parabens. Sr. Mário.
Cumprimentos
F.Ribeiro

Vitor Veloso disse...

Amigo Mário,
Que surpresa agradável o vídeo da MMSJL de sua autoria esta muito bom.
Esta a surgir um novo realizador.
Obrig
Bjs e Abraço
Meninas e Vítor

Fernando Andrade. disse...

Bom trabalho, Mário.
São estas coisas que fazem com que uma prova pequena pareça uma grande prova. Muitíssimo obrigado pela excelente montagem que fizeste.
Gastava eu de saber fazer estas coisas...
Grande abraço
FA

Fernando disse...

Este Sábado vou seguir os passos inspiradores dos que tão bem descrevem esta mítica prova. Lá estarei para desfrutar das descidas e enfrentar as subidas, na busca dos louros da vitória ao cruzar a meta.
Obrigado amigo Mário pelo contágio constante nestas aventuras de sapatilhas.
P.S. Ainda não acertei na mistura do cocktail com sal. Preciso de receita :)