27.12.10

S. Silvestre de Lisboa

Mentiria se dissesse que gostei mais desta prova este ano que no ano passado que a corri pela primeira vez. Sinceramente gostei mais do ano passado. Talvez porque haviam mais iluminações de Natal na baixa pombalina, talvez porque senti mais calor humano a sair daquele pequeno espaço do Rossio, talvez porque no ano passado corri com amigos lado a lado e este ano corri sozinho. Não gostei.

Encaro esta prova como uma despedida do ano velho junto de amigos e não foi isso que aconteceu. Ficou por dar aquele abraço a gente amiga; à família Veloso, à família Almeida (embora tivesse visto a Isabel na segunda passagem rumo ao Marquês), ao Joaquim Adelino, à família Mota (nem sei se lá estiveram embora pense que sim, o ano passado fiz quase toda a prova com a Susan, a Mariana e o Joaquim), ao João Melo, ao José Lopes, ao Brito e Otília (vi o Brito no retorno mas passou tão rápido que quando levantei a mão para o saudar já ele tinha passado, ).

Valeu-me encontrar o Carlos Coelho, o Parro e a Fernanda, o Gilberto, os irmãos Fábio e Hamilton, no final o José Melo e também que desta vez tive, a ver-me correr, quem muito comigo correu em muitas provas há já alguns anos atrás, o meu irmão mais velho, obrigado mano pela tua presença.

Depois foi o facto de ficar junto ao pano que dizia + 60. Pensava que era um separador de idades (não reparei no pormenor da sinaleca dos minutos) e como já não falta muito para lá chegar por ali fiquei. Afinal era um separador de tempo e eu nem a brincar faço 10 km a 6’ por km . Quando me apercebi já dali não podia sair e à minha frente, ao meu lado, num atropelo, estavam pessoas que iam fazer só os 3 km.

Como já o disse em temas anteriores, não sei para que servem os chips. Quando quase 3,5’ depois do tiro de partida passei a passadeira, verifiquei que estavam lá os tapetes electrónicos a assinalar a minha passagem, mas estavam lá a fazer o quê? Nada. A minha classificação final teve como base o tiro de partida e não a minha passagem pelo tapete. Resultado, tempo oficial, 53’50’’, tempo chip, 50’25’’. A classificação deveria estar pelo tempo do chip, porque esse é o tempo real e não pelo tiro de partida. Ou seja ficou à minha frente quem deveria ter ficado atrás e ficou atrás quem deveria ter ficado à minha frente. Isso é irrelevante mas a razão é para que é que servem os chips?! Deve ser só para se saber que se esteve lá e nada mais.


As “eternas” obras da Avenida Ribeira das Naus nunca mais acabam. Se na Avenida "corressem" naus teriam que ir os faroleiros à proa para ver se não havia um banco de areia ou pedregulhos a impedirem o caminho. Nós tivemos que ir às apalpadelas porque luzes nem vê-las. De resto foi mais uma prova. Depois de me libertar daquela gente que deveria estar atrás, dei por mim a correr solto e em bom ritmo. Fui cumprimentado os companheiros que ia vendo pelo caminho e acabei fresquinho admirando a minha prestação, os treinos têm sido o mínimo possível, (estive quase todo o mês a hibernar, é que não gosto do frio, se gostasse do frio tinha nascido pinguim ).

Do lado esquerdo a terminar a prova. Foto:José Gaspar - AMMA.


Este ano, no que concerne a provas, para mim acabou, pró ano logo se vê.

Bom Ano 2011

21.12.10

Boas Festas

Para todos os Familiares e Companheiros de Estrada

Bom Ano 2011__________

7.12.10

Meia-Maratona com 33 km

A minha participação na prova realizada no Domingo é o meu tributo a todos aqueles heróis que fizeram os 42.195 km da Maratona. Os da meia-maratona estão para esta prova como os da caminhada para a Meia-Maratona da Ponte, só estão ali para fazer número.

Estive no 1º de Maio para rever todos aqueles amigos que iam fazer a maratona. Desta vez, ao contrário do ano passado, poucos vi.

Depois aguardei junto ao Metro de Alvalade e começaram os amigos a passar, Vítor Veloso (estaria o Filipe Fidalgo com ele? Não o vi), Fernando Andrade, António Almeida, o José Carlos Melo e mais amigos iam passando, e o Pára que não Pára? Tinha delineado um plano, iria acompanhar o Joaquim Adelino a partir de uma determinada quilometragem. Pergunto ao Vítor quantos km’s já tinham feito e ele disse-me 5. Eram ainda poucos km para aquilo que pretendia fazer. Como não tenho arcaboiço para fazer os 42.195 km era minha intenção fazer somente 30 km e ali dariam 37 km o que era muito. Era um risco também começar num percurso que não era o meu, pois se houvesse algum azar a organização, e muito bem, não iria arcar com as responsabilidades pois eu é que estaria em falta.

Fui para o meu local de partida, perto do Cais do Sodré. Iria fazer a meia-maratona mas logo que visse o Joaquim mudaria de rumo e iria com ele.

Vou com o António Pereira em amena cavaqueira, mas sempre com o olho nos amigos que passavam. Passo os dois controles e eis que avisto o Joaquim. Despeço-me do António, dou meia-volta e lá vou com o Joaquim. Como é que este Homem aguenta tantos km e provas numa só semana é de enaltecer. Depois de estar no Domingo a subir a serra na Arrábida, na quarta na Meia da Marinha Grande ali estava ele numa Maratona.

Com o amigo António Pereira nos Jerónimos: Foto: CVR - AMMA.

E ali fomos lado a lado até ao fim. Como já tinha feito parte do percurso sabia que, em certas alturas, as rajadas de vento seriam fortes, era minha “obrigação” protegê-lo pois o desgaste era já muito mas quem tem fibra de campeão não seria por eu estar ali que não chegaria ao fim. Chegaria na mesma com maior ou menor dificuldade.

O mesmo local, o mesmo fotógrafo, mas já com o Joaquim Adelino: Foto: CVR - AMMA.

Passamos a grande Analice e aquela subida da Almirante Reis foi feita sempre em corrida. Ia olhando para o Joaquim pelo canto do olho e se alguma vez eu pensasse em abrandar o passo por cansaço meu, olhava para aquele Homem determinado já com tantos kms nas pernas e até ganhava novo alento para subir, subir e assim ultrapassamos mais um obstáculo. Os pequenos "andares" que tivemos aos 30, 35 e 40 km, não foi mais que um aperitivo dado às pernas para o correr seguinte.

Finalmente o estádio. Ali, no cortar da Meta, separamo-nos, ele para os 42.195 km e eu para a minha meia maratona de 33 km em 2h41’33’’. Nunca tinha feito uma meia tão longa.

A terminar: Foto: José Gaspar - AMMA.

Depois foi aquele abraço entre o Pára e o “Comando”. «Que nunca por vencidos se conheçam» é o lema do Pára e nunca este lema foi tão merecido.

Parabéns Adelino e todos aqueles que completaram mais uma Maratona.