22.7.11

A Uma em prosa


Preâmbulo

Tudo que escrevemos faz sentido. Ou escrevemos o que nos vai na alma, recordações, vivências passadas, ou fazemos desta forma de comunicação, o deitar para dentro de um baú procedimentos e formas de agir, para mais tarde podermos ir lá dentro e verificar se aquilo que fizemos foi bem feito ou podemos corrigir aqui e ali para não cometer erros que nos fizeram sofrer ou, pelo contrário, nos levaram a bom porto.

Este meu blogue serve para isso. Daqui a alguns meses irei ver o que escrevi para poder retificar, ou não, o que de bom ou de mal fiz, para que a próxima Ultra Maratona Atlântica corra melhor que a deste ano que, por sua vez, correu melhor que a do ano passado. Em 2012 voltarei a defrontar a UMA com o mesmo querer e vontade com que a fiz em 2010 e em 2011.

O Preparar

4h15’ da manhã, um dos dois despertadores toca (vantagem de ter colocado dois). Estremunhado levanto-me, tinha começado a sentir a UMA. Deixei tudo pronto de véspera, exceto o fazer da ‘limonada’ que tem que ser feito na altura. A marmelada e a fatia de pão, duas bananas tomaram lugar no camelback. Tomado o pequeno almoço (ver tema anterior), há que ir até Setúbal apanhar o catamaran. Desta vez porque já estava a amanhecer ou mais bem informado, não tive problemas em lá chegar (o ano passado perdi-me, não vi as indicações).

Interlúdio

Caras conhecidas e desconhecidas, a ânsia e o nervoso miudinho que se vai apoderando porque a UMA mete respeito, mesmo para os mais ‘batidos’ nesta prova e que o digam o Luís Parro e o Fernando Andrade totalistas desta prova.

Viagem de autocarro onde conversei com um novo amigo vindo do Porto, o Fernando Paiva que, sem o conhecer, ‘conheci-o’ dentro do catamaran (são muitos anos a virar frangos. ).

Com o Fernando Paiva. Foto:Fernando

A prova

Parece que corro sempre com objetivos definidos. O ano passado levei um chapéu homenageando os meus camaradas de guerra, desta vez levei um chapéu homenageando dois companheiros de estrada. A minha t-shirt é dedicada (como no ano passado) à terra que me viu nascer, Poveiro… Sempre!

Com o Eduardo Santos do ‘Mundo da Corrida’. Foto:Espiralphoto

Quilómetros iniciais junto ao mar. Fora uns 500 metros, aquilo parecia uma pista.

De vermelho total, o José Pereira que acabaria comigo a prova. Foto:Espiralphoto

Aos 10 km – 1h12’, aos 20 km – 2h 26’. Comecei a sentir picadas na planta do pé esquerdo. Incomodativa não me deixava pisar bem a areia. Paro para ver se era areia que lá estava. Pouca, não fazia sentido aquelas picadas. Volto de novo a correr e as picadas continuavam, troco de meias mas nada. Antes da Comporta resolvo ir de meias, 28.5 km – 3h57’11''.

Antes da Comporta, já de ténis na mão. Foto:Espiralphoto

Deixo lá os ténis, encho com meio litro o camelback (coloco aí o preparado que levava) e levo outra garrafa na mão. Aproveito e como a fatia de pão com uma banana. Caiu-me bem. A partir daqui foi o tormento. Se já o terreno vinha a piorar e o vento a fazer-se sentir, foi um choque o que veio a seguir. O terreno desnivelou, o vento tornou-se violento. Queria correr e não conseguia (já não levava o chapéu devido ao vento). Ali pensei em desistir (desistiram 18). Era uma luta inglória, mas há algo que aprendemos e temos que saber que existe, o poder da mente. Tinha que acabar a prova desse por onde desse, por mim, pelos meus companheiros, pela minha terra.

Os 14.5 km restantes foram feitos a andar. Andei, andei mas com ganas de fazer desse andar um correr e passei quem corria. Tive depois a companhia do José A. Pereira, dorsal 110 (curiosamente na foto do inicio ele está a meu lado). Fizemos os dois os restantes quilómetros em apoio constante. Juntou-se-nos, perto do final, o José A. Pinheiro, dorsal 285, estreante na prova. Ficaram sem água e a garrafa que eu levava ajudou a suportar a sede que sentiam.

A poucos metros do fim, combinado entre todos, iríamos passar a meta a correr. Meta à vista, coloco o chapéu e com alegria de crianças entramos no funil. Tínhamos vencido a UMA.

A terminar. Foto:Espiralphoto

Um abraço sentido entre nós! Foi o culminar de uma prova, só ao alcance de quem faz das fraquezas forças para levar de vencida tamanha epopeia.

Depois foi ficar por ali com os amigos, as meias quando as retirei estavam rotas (impressionante, já tinha corrido com elas em areia na Costa e nada disso tinha acontecido).

O meu dorsal era o 23 e fiquei em 23º no meu escalão com o tempo de 6h51’24’’. Fiz quase menos 1h que o ano passado (7h46’47’’). 216 da geral entre os 248 que acabaram.

Depois foi o adeus. Para o ano lá estarei. Pela organização, impecável, por mim, pelos meus companheiros, pelos golfinhos que vi no rio Sado.

Foto:Revista 'O Praticante'

Conclusões finais

Tudo o que levei, tomei e resolvi fazer (ir de meias) foram decisões corretas. Fiquei com bolhas de água na planta do pé esquerdo (as tais picadas eram isso) e uma debaixo de um dedo do pé direito (infetou). Tenho é que preparar-me com mais tempo para esta prova, o tempo foi curto.

Para o ano estarei a ler isto e sentir que tudo farei para que as seis horas a fazer a UMA seja uma realidade.

Classificações

Vídeos

  • Bola TV


  • Ultra Maratona Atlântica 2011 (1.ª parte)


  • Ultra Maratona Atlântica 2011 (2.ª parte)



  • Meus tempos intermédios:

    Aberta Nova (5,5km) - Posição 177 (263) - 00,37,27
    Galé (8,5) – Posição 184 (sem tempo atribuído)
    Pinheiro da Cruz (14,5) – Posição 194 - 01,37,47
    Pego (18,5) – Posição 225 - 02,12,30
    Carvalhal (20) – Posição 226 - 02,26,28
    Comporta (28,5) – Posição 223 (250) – 03,57,11
    Sol Tróia (37,5) – Posição 218 (248) - 05,50,25

    2 comentários:

    Vitor Veloso disse...

    Amigo Mário,
    Que grande aventura ao lê-la vivo cada uma das passadas dadas por ti...Obrigado mais uma vez, pela amizade e homenagem a minha pessoa.
    Espero não desiludi-lo mas próxima edição espero lá estar junto dos demais amigos e companheiros que tantas saudades tenho.
    Grande abraço
    VV

    joaquim adelino disse...

    Grande companheiro Mário e querido amigo, bem gostaria eu de ter partilhado contigo esses momentos mais dolorosos não só depois dos 28,5 kms mas também durante toda a corrida desde a partida. A UMA tem caraterísticas próprias e eu diria que nós nunca estaremos preparados para enfrentar aquilo, todos os anos "ela" é diferente e tudo "tem feito" para nos dificultar a vida. No essencial nós preparamo-nos para enfrentar aquela distância, o problema é que na prática nós não enfrentamos só a distância, é o estado da maré, são as ondas, é a inclinação, é a areia solta e mole, é o calor, é o vento, é a solidão e o nosso pensamento, é tudo isto que se altera de ano para ano e que ninguém está preparado para enfrentar. É por isso que a UMA é única, na distância e nas maldades que ela nos rserva. Mesmo para aqueles que estavam melhor preparados sentiram e viveram as agruras do sofrimento a tal ponto que ao cortarem a linha de meta se notava nos seus rostos a imagem desgastante de quem tudo deu para chegar ali.
    É um desafio aliciante para qualquer um, para quem já a conhece existe sempre a curiosidade de ir encontrar sempre uma coisa diferente, para os outros que se auto-motivando de ano para ano para participar é sempre uma experiência nova que se quer experimentar, uma vez lá por certo não quererão deixar de voltar.
    Para ti Mário vai um abraço com a certeza de que para o ano terás em mim um fiel companheiro para enfrentar aquelas maravilhosas e intermináveis areias.
    Até Óbidos.