18.7.11

A UMA em verso

Inicio. Foto: Carlos Lopes


Fiz-me à UMA com a fé
das seis horas como meta
Confiante na boa maré
Comecei como uma seta

Até à Comporta bom tempo consegui
Mil picadas no pé, seriam areias?
Os ténis descalcei mas mal não vi
E dali passei a correr de meias

O vento NW forte batia
O malandro vinha de frente
Correr mais não podia
Desfaleceu o corpo e a mente

Andei em grande voltagem
O objetivo já não era possível
As seis horas eram miragem
A andar era compreensível

Mas a vontade que nutria
Das seis horas não passar
Deu forças à minha agonia
E do meu andar, … voar

Tróia, depois da curva, a surgir
Ao longe a Meta forças me deu
Estava quase a conseguir
Uma Vitória por quem tanto sofreu

Coloco o chapéu esvoaçante
Que por dois amigos levava
Corto a meta fulgurante
E a UMA de novo acabava

Meias rotas, um terminar divino
No rescaldo deste fim penoso
Esta prova é para ti, Adelino
E para ti Vítor Veloso.

Parabéns a toda a Organização
E ninguém vos pode levar a mal
De fazer deste evento a confirmação
De uma grande prova Internacional.

12 comentários:

JoaoLima disse...

Parabéns por mais este feito, amigo Mário!

Pedro Ferreira disse...

Já vi que esta prova vos torna grandes poetas! Parabéns!

João António Melo disse...

Parabéns pelo desempenho e o concretizar de mais uma prova, neste caso bastante difícil, pois correr 42 km em estrada já por si custa, que fará em areia....!

Amigo Mário, uma maneira muito original de contar as peripécias da UMA. Gostei!

Luis Parro disse...

Grande Mário Lima,
Objectivo Interiorizado, Objectivo Conseguido!!!! PARABÉNS!!!
Todos nós que lá estivemos VALORIZAMOS o feito!!!
Para mim a mais dificil UMA em que já participei.
Tiveste de "subir a parede" para passar para o outro lado!
Luis Parro

Vitor Veloso disse...

Grande Mário,
Mais um grande desfio conquistado, os meus parabéns!
Mais uma vez agradeço a atenção dispensada, fico muito sensibilizado com o teu gesto!
Grande abraço
Vitor

António Almeida disse...

Grande Mário, desta feita a UMA revelou a tua veia poética que para mim é evidente em muitos dos teus textos mesmo em prosa.
Parabéns pela prova, desta vez fomos "apanhados" com condições extremamente "duras" quando já menos o esperavamos,...e aquele ventinho sempre presente...
Mais uma vez parabéns pela tua 2ª UMA, que daqui a um ano possamos estar de novo na linha de partida é o meu desejo.
Abraço.

Josué Lima disse...

Da prova quiseste rimar
Para da UMA falar,
Irei dela comentar
Na passada de versar.

Importante foi nela estares
E com teus amigos conviveres,
Para os ténis descalçares
Foi para melhor a correres.

Conseguiste ao fim chegar
Apesar do vento de frente vindo,
Mas o objectivo a alcançar
Era tempo ao tempo suprimindo.

Como poveiro de raça que és
T-shirt alusiva à terra levaste,
E apesar das picadas nos pés
À meta com meias rotas chegaste.

Pela tenacidade em correres
Demonstras a vontade que tens,
Mais valor têm os sofreres
De mim abraço de Parabéns.

Mário Lima disse...

Obrigado a todos pelos comentários. Ainda irei escrever mais sobre esta Odisseia que nem Ulisses, mas estou aguardando mais fotos e as passagens pelos postos de controle.

Pois é Mano, mais uma vez levei uma t-shirt alusiva à nossa terra, pois já o ano passado o tinha feito com outra.

Ser Poveiro é ter sempre presente que por mais que se sofra numa prova, há quem tenha sofrido muito mais na morte dos seus entes queridos nos naufrágios que houve na entrada da nossa barra.

A t-shirt que tenho orgulho em envergar, é uma justa homenagem à terra que nos viu nascer, aos lobos-do-mar e ao clube da nossa terra, o Varzim, que já andou entre os grandes e agora está onde não deveria estar.

Obrigado pelo teu poema e Obrigado pelo teu apoio.

Abraços a todos!

luis mota disse...

Amigo
Mais UMA conquistada com determinação.
Agradeço-lhe o apoio e carinho manifestado, que é o que guardo desta prova.
Gostaria de ir a Óbidos, estou inscrito, mas tenho um compromisso familiar nesse dia.
Tudo de bom para si e para os seus,
Luís mota

Henriqueta Solipa disse...

Parabéns Mário!

Um desafio destes só para GRANDES homens como tu.

E... adorei ler o poema... espero a prosa :-)

beijinho

Fernando Andrade. disse...

Mais um feito extraordinário
Cometeu o amigo Mário
Que com os pés meio submersos
deu-lhe para fazer versos.
E eu, com a mesma tareia
Imagino uma epopeia
Onde heróis e semi-deuses
São desta Prova os fregueses.
Chego assim à conclusão
Que isto é magia e ilusão.
Pois esta ultramaratona.
Dá-nos é cabo da mona.

Parabéns e um grande Abraço, Mário.
Para o ano, lá terá que ser...

Fernando Andrade

Anónimo disse...

Amigo Mário Lima:
Não páras de me surpreender!!!. É que,para além do fantástico atleta e "apaixonado" por este desporto, que és, eu tenho que me render e enaltecer as tuas grandes qualidades "prosaicas e poéticas". Isto é um VERDADEIRO HINO à perseverança, ao espírito de sacrifício e ao querer. Obrigado por tudo e, para ti, um grande abraço.
Fernando Paiva