31.10.11

19ª Corrida do Monge

Pela 2ª vez envergo a t-shirt do 'O Mundo da Corrida' e pela 2ª vez não chego ao fim.

Com colegas de trabalho e o Eurico Charneca. Foto: José Carlos Melo

Se na primeira vez o facto deveu-se a eu desistir por não poder mais, desta vez foi uma organização vergonhosa que não teve o cuidado de verificar que ao mesmo tempo que a nossa prova decorria uma outra de BTT, com as mesmas fitas e com traços e setas no chão.

Com a Ana Pereira e António Pinho. Foto: António Melro Pereira (AMMA)

Perderam-se mais de 80% de corredores, alguns fizeram mais de 20 km e mais uma vez entrei numa carrinha para me levar para a meta pois andámos perdidos (embora já a caminho da meta) mais de uma hora e meia pela serra.

Início da prova. Foto: António Melro Pereira (AMMA)

Eu fiz mais de 16 km e só posso dizer que foi uma vergonha o que aconteceu.

A prova BTT não era pirata. Foi organizada pelos BV de Colares daí muitos companheiros terem ido parar a Colares pois era a marcação das fitas para as BTT.

Aqui está e bem referenciada a prova e os Regulamentos são de 1 de Setembro de 2011. Estive a comparar os percursos e bate certo em alguns pontos com o nosso.

Regulamento, percurso e prova da BTT

E não custava nada evitar que isto acontecesse, bastavam uns letreiros perto dos 5 km onde foi que todos nós virámos para a prova da BTT, com os dizeres 'Corrida do Monge' e uma seta a indicar o caminho correto, já que no chão se encontrava um traço contínuo e setas a cal a indicarem o caminho... para as BTT.

Mas não, ficaram impávidos e serenos e depois eram dezenas de nós, perdidos na serra, sem saber por onde ir. Eu não levo isto na desportiva pois ainda tive que cuidar de um companheiro que estava no chão com cãibras e a nossa 'malta' a passar e ninguém o socorria. Qual companheirismo qual carapuça. É um salva-se quem puder? Uma medalha ou um pão com chouriço vale mais que um companheiro aflito na terra do nunca? Se eu não tivesse parado e ajudado, ele ficaria por ali no meio da serra e ninguém o iria buscar pois sem o sabermos já nessa altura estávamos perdidos.

A sorte do grupo onde ia, é que havia um dos nossos que conhecia mais ou menos a zona e quando se viram fitas para a direita num determinado local, disse que por ali íamos parar a Colares e a bússola do GPS indicava o sentido contrário para Janes. Se não fosse ele eram mais uma dezena a ir parar a Colares. Tivemos sorte, os locais de abastecimento dos BTT forneceram-nos água e algum alimento para quem quis. E depois de mais km a andar, pois já ninguém corria, foi uma carrinha que nos levou até à meta.

Na Meta era o caos. Pessoal indignado, carrinhas a despejar atletas atrás de atletas que foram recolhidos na serra. Os cuidados de familiares com alguns companheiros que não chegavam à meta e sabiam que se tinham ferido na prova e por lá andavam perdidos.

Eu não queria atravessar a Meta. Tinha chegado de carrinha, fiz mais km do que estavam no Regulamento, andei duas horas e tal pela serra e era uma forma de demonstrar o meu desagrado pela péssima organização.

Vieram ter comigo para o não fazer, a fim de controlarem quantas pessoas ainda faltavam para chegar ao fim. E vi chegar a Analice, e vi chegar companheiros do ‘O Mundo da Corrida’ e vi chegar muitos com os rostos crispados de indignação.

Nesta prova não pode haver classificações e terá que ser anulada. Se oficializaram a prova, é mais um erro de palmatória desta organização.

5 comentários:

Carlos Lopes disse...

Olá Mario

Enfim.. um domingo cheio de confusão... Pelo que sei, esta é a 19 edição desta prova, e pelo que ouvi dizer, nunca tinha corrido mal... tivemos azar.. uma 1 vez para ambos e logo acontece isto. Eu como muitos fiz 21.660 metros... em pouco mais de 2.06. Ao km 13 vi logo que andava perdido, para não desanimar , comecei a sorrir.. tirar fotos... conversar e correr... fiz que queria fazer.. correr.

Ao contrario que me aconteceu a 2 anos em Óbidos, a organização não deve culpa do que se passou.. e muitos atletas foram induzidos a erros pela organização do BTT, que os mandava por caminhos diferentes.. comigo passou o mesmo... felizmente, juntei-me um grupo que conhecia bem o terreno... Amigo Mário, espero vê-lo novamente pro ano esta corrida

luismotatomar disse...

Caro Amigo!
Sei o que é organizar uma corrida e respeito todas as organizações pois sei que dão o seu melhor. Esta já é uma prova com história e alguns dos elementos da organização muito têm feito pela corrida de montanha. Agora os organizadores terão de ter em atenção o aumento de eventos nos mesmos percursos, respeitar os atletas e não “matar” este gosto cada vez maior, de muitos, das corridas em montanha.
Ontem estive em Almeirim. Um dia para correr espectacular, grande ambiente e 5€ de inscrição (Prémios, T-shirt técnica de elevada qualidade e almoço). Quanto é que isto custa na montanha?

Mário Lima disse...

Carlos

Ao grupo que ia comigo e virou no sítio errado não foi por indicação de ninguém. Ali não havia ninguém (aos 5km). Havia um traço no chão a cal e uma seta a indicar o caminho como até aí houvera outras setas e outros traços.

Foi aí nos 5 km que toda a gente se enganou, nunca ninguém dos abastecimentos da BTT me disse que era para este ou aquele lado. Como o podiam dizer se eles próprios não sabiam qual o nosso trajeto? Sabiam do BTT agora nosso não.

Podiam dar alguma sugestão mas o erro foi aos 5 km sem indicação nenhuma da Corrida do Monge quando se cruzaram as fitas e linhas com as da BTT.

Até fizeram uma coisa que não é vulgar. Deram-nos água pois depois de quase duas horas na serra estávamos sedentos (e um companheiro nosso pediu de comer e eles deram também)

Li algures que esta organização é de amadores. Pode ser de amadores mas já anda no terreno há muito tempo para saberem e se informarem se no mesmo dia há outras provas que não a deles e saber que tipo de fita usarem para não confundirem com os da outra prova.

O rapaz que indicou o caminho certo quando íamos para Colares fez perguntou no início à organização (era a primeira prova que fazia de montanha)sobre as marcações da prova e sabes o que responderam? - "Vá atrás dos outros".

Isto é alguma coisa? Isto é de uma organização responsável?

E ele foi, foi atrás de quem se perdeu e perdemo-nos todos!

Eu estou indignado pois se não tivesse parado para ajudar o nosso companheiro que estava ali caído em sofrimento, o que seria dele? Foi ele, podia ter sido eu.

Houve um nosso outro companheiro, atleta de elite que não correu e aguardava a companheira na meta, e disseram-lhe que ela tinha caído e se encontrava ferida algures na serra. O moço estava desesperado a tentar saber o que se passava.

O que é isto? Todos se riem, todos levam para um treino com mais uns km na serra e se fosse um deles a ficar lá ferido sem saber onde estava, também se ririam?

Abraços!

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Amigo Mário... foi um erro, uma falha, uma coisa que não devia ter acontecido. Certo. Estamos de acordo. Acho mesmo que todos devem concordar que foi uma falha, grave, que não devia ter acontecido.

Aconteceu. Ajudou à coisa a prova de BTT no mesmo sítio com as suas indicações...

E agora? Ao fim de 19 edições, vamos só mandar abaixo?!

da minha parte Mário (sim, levo isto na desportiva, fiz um "treino" maior, se fosse "a competir" ficava lixada da vida, admito) mas da minha parte, quando andava perdida, fomos procurados e achados pela Organização que se ofereceram para nos levar, nós é que quisemos ir a correr... A Corrida em Montanha tem riscos, e risco sérios! E Sintra é um mimo comparado com outros lugares que o Mário até conhece melhor que eu (Montanhas e Serras); eu sinto que a Organização teve uma falha e procurou "remediar", dentro das suas possibilidades. Vamos atirar a matar? Não concordo com essa sua posição. Não vi arrogância nem desrespeito pelos atletas. Vi humildade e de certeza que ninguém da organização está menos lixado que os atletas que ficaram mesmo lixados. Acho eu... mas também quem sou eu?

Um beijinho Mário, e para mim, quando estas coisas acontecem, há que dar hipótese à Organização de melhorar, e nada melhor que voltar lá para o ano, para a 20ª edição

Jorge Branco disse...

Dado o assunto em questão resolvi dar a minha modesta opinião sobre o mesmo lá no Último Quilómetro abstendo-me de fazer comentários nos vários blogues que se referem à questão.
Desta maneira evito repetições no que escrevo e dou o assunto por encerrado com um texto apenas.
Demorei um pouco a dar a minha opinião pois não quis reagir a “quente” optando por estudar e analisar o melhor possível o que aconteceu aquele dia.
Não vou comentar mais a questão pois não tenho nada mais a acrescentar.
Um abraço.