23.11.09

Mendiga – Entre duas Serras

Pela primeira vez fui correr a Mendiga, prova que vai na sua 22ª edição o que é de salientar para um local “perdido” entre duas Serras, a de Aires e Candeeiros.

Serra dos Candeeiros

O nome de Mendiga vem pelo facto de no início haver apenas três casas e nelas teriam habitado alguns mendigos. Como sempre há quem diga que assim não é, mas se hoje ainda se discute onde nasceu o nosso primeiro rei é natural que estas povoações mais antigas que Portugal não se chegue a conclusão nenhuma, pois pelo que li já os romanos por esta zona tinham andado (quem gostar de História Universal pode ler aqui sobre o Império Romano).

O Grupo do CCD de Loures marcou presença, tendo participado na caminhada a Ana, esposa do José Pereira.

CCD Loures

Uma ligeira brisa e um sol envergonhado, as serras envolventes, o pinhal onde o verde musgo encobriam as árvores e rebentos de cogumelos em chão atapeado por folhas onde aqui e ali se viam pedras dispostas em pequenos quadrados (castros?) o que adivinhava ter aquilo sido habitações do passado, indiciava um dia propício para se fazer uma boa prova.



Depois de levantados os dorsais, a inscrição para o almoço. O aquecimento e aí o convívio e o abraço aos “velhos” conhecidos e aos novos agora dos que cimentam a sua amizade através desta forma de comunicação, os blogues.

Carlos Coelho, um conhecido da prova do Entroncamento, marcava presença e gostei de saber que já tinha feito a sua estreia na Maratona, na cidade invicta. Conheci o Luís Mota do blogue Tomar a Corrida, através do Joaquim Adelino, O Ventura Pires, já há muito conhecido mas nunca falado, e às 11h foi dado o tiro de partida. Eu, Joaquim e o Daniel (o genro do Joaquim) ia marcando o andamento em andamento de treino (para ele), lá partimos juntos. Sou franco em dizer que pensava que a prova fosse mais difícil. Tinham-me referido grandes subidas mas são subidas suaves. Com aquelas subidas a gente chega ao céu sem notar. Íamos a um ritmo de 4’40’’ por km. Bom andamento. Com a chegada do Vítor Moreira do CCD tentei saber até onde podia aguentar um ritmo de corrida inferior a 5’/km. Fui com ele do 10º ao 13km com um tempo de 1h03’12’’. Aí verifiquei que não podia manter esse ritmo e aguardei pela chegada do Joaquim e do Daniel. Chegámos os três com 1h23’00 para os 16.300 metros.

Gostei. Foi um bom sinal, agora é em treinos, para um mesmo tempo, percorrer uma maior distância. Pouco a pouco vai-se chegando lá.

O almoço foi um belo momento. Pavilhão cheio, boa organização, abrilhantado por um grupo de acordeonistas tocando música tradicional portuguesa, só faltou alguém mais corajoso abrir o baile.

CCD Loures


Às 15h procedeu-se à entrega dos prémios e sorteio de várias ofertas. Aí conheci o Luís Parro do blogue Raide e outras corridas. O CCD teve um 2º e um 3º lugar (António Henriques e José Pereira respectivamente) e ficou em 16º por equipa.

José Pereira e António Henriques

Porto de Mós e Mendiga serão um local a visitar futuramente para desfrutar a bela paisagem e a história deste lugar, mas sem ser em corrida.

Para correr será até ao próximo ano. Parabéns à organização pela prova e Parabéns pelo belíssimo Pavilhão Gimnodesportivo que Mendiga possui.



P.S. - Penso que quando se realiza uma prova, esta tem que se nortear pela verdade, tanto na vertente dos prémios, escalões de seniores e veteranos, assim como na distância a realizar. Segundo a Xistarca (organização) e muitos outros locais de responsabilidade, a distância a percorrer seria de 16.600 metros. Segundo o regulamento da prova, tal como estava no panfleto, a distância é de 16.300 metros, como se pode ler Aqui). É que para quem tenta saber a sua evolução, depois de uma lesão de dois anos, 300 metros faz muita diferença. Obrigado!

7 comentários:

joaquim adelino disse...

Olá amigo Mário.
Depois de um afastamento forçado destas andanças, é sempre bom voltar e com novas motivações, como são estas de conhecer novos amigos e novas formas de comunicação.
Obrigado pela companhia em toda a prova, incluindo aquele momento de inspiração de 3.000 metros, mas nunca saíste da minha mira. Estiveste muito bem e oxalá assim continues, pois a mim ajudaste bastante.
Um abraço

António Almeida disse...

Olá Mário
fizeste um boa prova, bom sinal.
Também mais uma bela jornada de confraternização (claro só podia).
E mais um post com a qualidade "Mário Lima".
Já desde o passado ano que tenho essa prova debaixo de olho mas ainda não foi desta, optei por realizar um longo aqui por perto de casa.
Continuação de boas corridas.
Abraço.

JOSÉ LOPES disse...

Olá Mário

Parabéns, por mais uma prova concluída, para incluir no longo curriculum desportivo.

Os treinos estão a surtir efeito.

Numa prova com petisco no final corre-se com mais motivação.


Continuação de muitas corridas

Com os cumps

J.Lopes

Fábio Pio Dias disse...

Olá amigo Mário!

Mais uma excelente corrida e pelos vistos a subir nitidamente de forma e também como sempre bem acompanhado pelos antigos e novos amigos.Prova bem organizada e bem relatada aqui no post...então cadê a coragem para abrir a pista de dança, estou a ver que só com kizombada é que daria um pé de dança!
Um abraço e se tudo correr bem, até a Maratona de lisboa, onde irei fazer a metade da distância.

Um abraço e tudo de BOM!

Luis Parro disse...

Caro Mario Lima,
Foi um prazer aquela tertulia durante a entrega dos prémios.
Exemplar foto-reportagem.
Bons treinos e melhores provas
Luis Parro

ventura pires disse...

Olá amigo Mário!
hoje estive a dar uma olhadela nos blogs de alguns amigos e o seu foi um dos que visitei por isso as minhas desculpas, pois não tinha autorização para tal.Estou a enviar este comentário para que possa proceder á rectificação do meu nome que está no comentário da Mendiga para Ventura Pires caso assim o entenda. Um Abraço
Ventura Pires

Mário Lima disse...

Olá Ventura

Obrigado pela observação, está feita a rectificação.

Abraço!