31.1.12

Treino "Fim da Europa"


... Tinha que lá ir. Nem o facto de estar cansado depois de mais um convívio africano, e ter dormido muito pouco, me impediu de estar presente neste treino.


José Lopes, eu e Ivo. Foto: Time2Photo

Seria um treino pirata, mas tudo se conjugou para que assim não fosse. Com o apoio de alguns companheiros de corrida (Álvaro Pinto, André Beja, Fernando Andrade, João Fialho, Nuno Tempera, Hugo Novais, Eduardo Leite, Nuno Marques e pedro Alves, Obrigado Companheiros), da GNR na pessoa do Sargento Robalo, foi realizado este evento com garantia de segurança necessária para que o mesmo se realizasse sem percalços.

Sargento Robalo, Fernando Andrade e os fotógrafos da Time2Photo. Foto: Time2Photo

... E assim sucedeu. Uma maravilha! Na companhia do José Lopes e do Ivo Rosa, com a presença de muitos companheiros de corrida, onde destaco o Jorge Branco que fez questão de participar assim como o seu tio Egas, na função de fotógrafo, a amiga Mónica Miguéis e marido estreantes nas provas, foram perto de 17 km de inteiro prazer, onde mais uma vez a natureza e o homem se fundiram numa simbiose perfeita.

Foto: Fernando Andrade

Sem pressas desfrutando os cheiros, os raios de sol filtrados pelo arvoredo, o musgo nos muros, as subidas difíceis e a descida até ao Cabo da Roca, onde a terra acaba e o mar começa, fez-se deste treino, um treino do melhor que há.

Parte final. Foto: Egas Branco

Chegados, foi um momento de pausa e ver a alegria estampada no rosto de um dos melhores Homens que muito faz pelo Atletismo em Portugal, Fernando Andrade. Foi um chegar com o polegar erguido, satisfeito pelo evento realizado, satisfeito pela adesão, satisfeito por tudo ter corrido bem.

Fernando Andrade. Foto: Time2Photo

Confesso que quando vinha a correr a caminho do Cabo da Roca me 'assustei' com a descida, não por a ter descido, mas sim por ter prometido a mim mesmo fazer o retorno. Se a desci, teria que a subir. Elementar!

Eu e José Lopes. Foto: Time2Photo

Enquanto o José Lopes aguardava o Ivo que se tinha atrasado ligeiramente pus pés a caminho.

Do lado esquerdo pronto para o retorno. Foto: Fernando Andrade

Foi um voltar sofrido. Subidas e descidas que nunca mais acabavam (eram as mesmas que tinha feito, mas em sentido contrário). Corri, andei, foram 17 km como há muito não fazia mas, juntamente com o José Carlos Melo (em grande forma) e mais um companheiro, consegui chegar ao ponto de partida. Ao ver agora a altimetria é que me apercebi do feito. Foi duro mas cheguei ao fim.

O traço vermelho divide o percurso de ida e volta


O Diploma

7 comentários:

.JOSÉ LOPES disse...

Bom dia Mário

Grande treino num local maravilhoso.
Parece-me que a volta teve mais subidas do que a ida, analisando o gráfico.

e tb o cansaço faz com que pareça mais didicil.´Percurso de ida e volta só para duros:)

Para um treino esteve muito bem organizado.
Pena aquela concentração motard, ainda bem que não aconteceu nada mas deve er sido por pouco.

Continuemos a correr
Agora com um olho na Maratona de Sevilha

com os cumps
J.Lopes

João António Melo disse...

Amigo Márius, acabou por ser um grande treino...a dobrar, a volta até ao ponto de partida é muito duro, principalmente a grande subida desde o Cabo da Roca até à Peninha. Eu não pude participar por estar a trabalhar na manhã de domingo mas tive pena. Fica para o próximo ano, pois talvez a voltem a realizar. Um abraço!

Jorge Branco disse...

Eu tinha de lá estar era uma questão de militância! Não sei se sabes mas eu sou um militante da "causa coxa"!
E ainda não perdi a esperança de um dia fazer aquilo ida e volta!
Abraço.

Jorge disse...

Parabéns Mário Lima por mais um desafio concluído saudações daqui do Rio de Janeiro - BRASIL.

Bons treinos,

Jorge Cerqueira
www.jmaratona.com

Anónimo disse...

Grande Mário
...e de t-shirt de manga curta, és mesmo um duro por conquista nas areias de melides a tróia e por natureza.
Continuação de boas corridas.
Abraço do teu amigo corredor.

Fernando Andrade. disse...

Obrigado pelas tuas palavras, Mário, mas volto a sublinhar que se tratou de um trabalho de equipa em que eu fui apenas um dos seus elementos. Apenas fiz a minha parte, que não teria resultado sem a dos outros. Mas a verdade é que, no final, ficámos felizes mais por ver as pessoas satisfeitas do que por não termos cometido falhas. Mas não devemos ser demasiado modestos: para um treino, foi muito bom, mas se voltássemos a fazer o mesmo para o mês que vem, quase de certeza que corrigiríamos algumas coisas. Mas isso não dava garantia que ia correr melhor. Vá-se lá adivinhar.
Grande abraço, Mário e, mais uma vez, obrigado pela tua simpatia.

joaquim adelino disse...

Venho tarde mas quero aqui deixar uma palavra de parabéns pelo feito que alcançaste ao conseguir fazer aquilo de ida e volta, é de facto muito duro. Como sabes a minha ausência e a de muitos foi motivada pela coça que levámos nos Abútres, ainda hoje ando meio empenado, mas a coisa vai-se compôr. Espero encontrar-te em Sicó, isto senão suceder nada de grave em Sevilha no próximo Domingo. Abraço.