23.3.10

O Canto da Ponte



                              A Ponte 25 de Abril cheia de gente
                              Muitos sorrisos, muita alegria
                              O CCD de Loures sempre presente
                              Já há muito faz esta romaria

                                      Da Ponte não vejo o Terreiro
                                      Mas não por causa da multidão
                                      Há sobre a cidade nevoeiro
                                      Como aguardando D. Sebastião

                              Vejo a Rosa de phones nos ouvidos
                              Dançando ao som do Rock And Roll
                              Ela que andou por caminhos perdidos
                              Lá longe, nos trilhos de Almourol

                                      Converso com o Pedro Ferreira
                                      Sei que há ali na distância batismo
                                      Vão correr a meia pela vez primeira
                                      O Rui, o Zé Pedro e o Levezinho

                              Um abraço ao Fábio Dias
                              Ao Hamilton e ao Rui Carmo
                              Fala-se muito de corridas
                              E os “vip’s” a aquecerem ao largo

                                      Alguns com uma boa pança
                                      De corredores nada se via
                                      E o Luís Mota junto à segurança
                                      Há duas horas parado… Aquecia

                              A meu lado outro campeão
                              O Hugo Adelino bem os olhava
                              Passariam depois os vip’s de ocasião
                              Como cão por vinha vindimada

                                      Partida, fugida às pressas
                                      Lá vai o pessoal num tropel
                                      Ouvem-se línguas diversas
                                      Parecia a Torre de Babel

                              Pensamento fisiológico me açoita
                              Parecia o filósofo Séneca
                              Logo a seguir atrás de uma moita
                              Fiz uma pequena paragem “técnica”

                                      Olho para o lado e quem vejo
                                      O Vítor Veloso e o António Almeida
                                      Sigo com eles e tenho o ensejo
                                      De acabar com eles a meia

                              Vimos o Carlos Lopes amigo
                              À perna, agarrado estava
                              Demos-lhe o incentivo
                              E lá foi ele em disparada

                                      Mas uma coisa é desejar
                                      A realidade é bem mais dura
                                      Aos 8km foi o meu acabar
                                      E lá se foi a pendura

                              Aos gritos de Mama Sumé
                              Passam os Comandos bons rapazes
                              Assim mesmo amigos é que é
                              A Sorte Protege os Audazes

                                      Cumprimento o Parro que apadrinha
                                      A estreia da esposa na meia
                                      Vai o Paulo Póvoa a toda a brida
                                      E pouco depois o José Pereira

                              Vejo o António Henriques e o Valério
                              O Costa e alguns petizes
                              Em dificuldades e de rosto sério
                              Em expressões nada felizes

                                      Junto-me ao “Mission impossible”
                                      Iam todos em ritmo certo
                                      Não vi o Pára é “incredible”
                                      E ele ali do “Comando” tão perto

                              Vejo a Meta até que enfim
                              Tomo logo a dianteira
                              A Rosa Mota espera por mim?
                              Não!.. É pelo Mário Ferreira


                                      Meta cortada, medalha ao peito
                                      Depois é o que se sabe no final
                                      Não há filas, não há respeito
                                      É gente medíocre de Portugal


                              Se esta minha má vontade passar
                              À Ponte pró ano hei-de voltar

7 comentários:

luis mota disse...

Olá Amigo Mário!
Todos os amigos sabem o quanto treinei para esta prova. Optei por falar apenas no positivo, pois o negativo retirou-me duas noites de sono, mesmo sem conseguir dormir, a três dias da prova.
Fui para a prova desmotivado e tive a felicidade de estar rodeado de alguns dos melhores Amigos durante a prova. Esse factor favoreceu-me e alegrou-me imenso. Não esqueço os que me tentaram ajudar e aos quais agradeço e guardo com estima essa atitude.
Agora o que é que eu poderia querer melhor. Partir junto da Susan, pessoa com quem partilho o mesmo caminho há cerca de duas décadas, rodeado de amigos que aquecemos com rasgados sorrisos, essa é a imagem que guardo. Não esqueço a felicitação do Fábio e do Mário antes da partida, mas primeiro foi o Adelino e o Hugo a acenar a desejar boa prova.
Depois da partida ainda consegui correr dentro do objectivo. Aos 10 km tinha recuperado, mas, quem tinha efectuado um treino de 34 Km de corrida na segunda, depois das Lezírias, fica contente com o desempenho.
Quanto ao Mário, ainda o vi, na altura na frente dos Comandos. Grandioso grupo de Homens de grande valentia.
Quanto à Meia Maratona de Lisboa, é apenas a prova que mais gosto de participar. Para o ano conto lá estar novamente de preferência rodeado da família e Amigos.
Uma boa semana para si,
Luís Mota

Fábio Pio Dias disse...

Parabéns Mário,

Com a veia poética, descreveu/relatou na pefeição os sentimentos, peripécias e emoções vividas e sentidas nesta prova.

Um abraço e boa semana!

António Almeida disse...

Olá Mário
pelo menos a meia de Lisboa puxou pela tua veia poética, parabéns.
Não era para participar e ao estar presente quebrei a "minha tradição" de ano sim, ano não, na meia de Lisboa.
Abraço.

Vitor Veloso disse...

Bravo Mário,
Parabéns pelo modo que descreveu uma prova única, naquilo que toca e com orgulho que partilho o asfalto/terra na alegria de correr.
Grande abraço
Vitor Veloso

joaquim adelino disse...

Ainda tive um nadinha de espaço ali mesmo no final. E que dizer de tão bonitos versos dedicados a uma prova que pelas suas incidências até nem cai bem aí no gôto? Só prova a superior moral que transportas contigo que consegues ultrapassar com facilidade aspectos tão negativos como os enumerados.
Vai continuando com essa veia porque o bailinho vai lindo!
Abraço

JAM disse...

Excelente Mário, outra forma de contar as peripécias da corrida a cantar. A tua veia de poeta sobressaiu...no meia de alguma desilusão pelo comportamento de alguns. Para o ano, se tudo correr bem, lá estaremos outra vez! Um abraço.

JOSÉ LOPES disse...

Bom dia Mário

Pára/corredor/poeta

Uma triologia que dá outro encanto à vida do dia a dia.

com os cumps
J.Lopes